18 de novembro de 2006

Ele D'ela


um homem (outro ele)

Ele, um outro dele
saía pelas portas marcadas de um lugar qualquer

Dele, um outro ele
deslizava pelos embaraços discretos de um outro dia vulgar

"SEM SARAR

Quando eu caía
Ele vinha
Me cuidava
Me erguia.
Já foi assim
Agora não
Ando gripada
Desde então"*.

a ele - e moro nele
passeia pelas esquinas tentando ser mais que retina de outrem

Mestre, um outro daquele
sem saída, sem saudade, sem liberdade pensante

"(...) Ah, meu menino!
Mas se você insistir em chegar assim
tão desavisado e de repente
sou capaz de me entregar,
me deito e me ofereço
ali mesmo no sofá.
E se você sorrir assim
tão sorrateiro e dissimulado
que faça eu querer morrer,
lhe como, lhe gozo, lhe beijo
e depois em outra cama
vou ligeiro lhe esquecer"**.

da barba, do roçar o pescoço
ou da pele simplesmente

ele, um outro ele e dele
habita em mim
satisfazendo-me

"Não solidão, hoje não... quero me retocar"***

Coisa de mulher
D'ele...

Ilustração :: Vânia Medeiros

* Poesia de Raiça Bonfim
** Trecho da Poesia de Liana Lisboa
*** Trecho da Música "A Mais Bonita" de Chico Buarque

3 comentários:

Anônimo disse...

"A mim e a tudo que eu quis...
(...)
Ele está na minha vida porque quer."


f.

Vânia disse...

ahhh...




lindo........




já disse que te amo?






muito?

Raiça Bomfim disse...

"... e eu estou pro que der e vier..."

Tinha achado muito lindo já e agora, vendo palavra minha aí no meio, vendo palavra de Liu, vendo desenho de Van... Ah... Me derreto e me deleito com essa coisa toda que
"habita em mim
satisfazendo-me".