8 de março de 2009

Bilhete


ide ir mais fundo

ide sempre

de sol a sol

de luz em luz

a dobrar os castelos

retos e curvos aos barracos

e deixar para trás os caminhos

e não olhar pro ontem

muitas são as noites

diversos os luares

e suntuosos os palácios de promessas

e incrédulos os absurdos da ilusão

onde - meu deus!

Quem – meu deus!

espinhos esgueiram-se lépidos e traiçoeiros

radicais promovem uma corrida infâme

ainda assim

e então

para o caminhante há de sempre o destemor

os buracos da estrada são visões

o olhar sereno, resoluto – a beirar o tempo

a visão atribulada, tórrida – esperando os momentos

o centro da dança das fogueiras em festa

a alegria do fogo não queima

alegria!

Toca!

ide ir mais fundo

ide sempre

de sol a sol

de luz em luz

a ouvir de sinos o eterno chamado

falando dos sinais a seguir

em cada longínquo campanário

no amor do canto de outrem

e só

e continua...


Texto (ou vice-versa)
Rosa - Ismael
Verde - Niltim

Um comentário:

Celine Ramos disse...

Vice-versa. Tá Lindo.