10 de março de 2006

Diálogos Estáticos


Fror - Ele anda meu nêgo! Anda por que não consegue ficar estático. Ele anda e se movimenta. Ele anda movimentado pelo dinamismo que acontece em seu corpo. Ele anda e quase corre. Isso por que tem o desejo infantil de acompanhar o movimento dos impulsos elétricos que acaba chamando de pensamento. Preste atenção nos pés dele neguinho. Empurra o chão para trás com muita força. Não consegue andar estático, não admite a possibilidade de estar parado. Não parece ridículo? insensato? Mesmo assim, o maior dos problemas é que ao andar falta-lhe capacidade de contemplação.

Neguinho - Decerto que é desatento, fror. Decerto. Deixa a desejar no que produz. Anda sem compania e não sabe o que fazer quando alguém se aproxima. Não sabe dos novos paradigmas, mas não se acha original por não seguir modelos. Não é bonito, não, mas eu fico esperando ele andar por aqui.

Fror - Eu prefiro acreditar na beleza. Até acho mais interessante. Adoro quando ele passa cantando, por exemplo.

" Eu ontem fui dormir todo encolhido
Agarrando uns quatro travesseiros
Chorando bem baixinho, bem baixinho, baby
Pra nem eu nem Deus ouvir

Fazendo festinha em mim mesmo
Como um neném, até dormir
Sonhei que eu caía do vigésimo andar
E não morria
Ganhava três milhões e meio de dólares
Na loteria
E você me dizia com a voz terna, cheia de malícia
Que me queria pra toda vida

Mal acordei, já dei de cara
Com a tua cara no porta-retrato
Não sei por que que de manhã
Toda manhã parece um parto
Quem sabe, depois de um tapa
Eu hoje vou matar essa charada

Se todo alguém que ama
Ama pra ser correspondido
Se todo alguém que eu amo
É como amar a lua inacessível
É que eu não amo ninguém
Não amo ninguém
Eu não amo ninguém, parece incrível
Não amo ninguém
E é só amor que eu respiro"*

Neguinho - Providencial essa canção. Mas não te diz muita coisa. A verdade é que quando ele anda, não tem muita pretensão em organizar o pensamento, de dizer algo. Eu já disse que ele não muda nem o passo? Observe como o andar dele é lúdico. Por incrível que pareça é uma brincadeira que inspira uma súbita vontade de aprender o que não se conhece. O ritmoque não conseguiu gravar, o número do telefone que não tem de có. É um absurdo a lentidão. Quase Macabéa** (que me perdoe a diva!).

" Aceitarás o amor como eu o encaro ?...

Aceitarás o amor como eu o encaro ?...
...Azul bem leve, um nimbo, suavemente
Guarda-te a imagem, como um anteparo
Contra estes móveis de banal presente.

Tudo o que há de melhor e de mais raro
Vive em teu corpo nu de adolescente,
A perna assim jogada e o braço, o claro
Olhar preso no meu, perdidamente.
Não exijas mais nada.

Não desejo também mais nada, só te olhar, enquanto
A realidade é simples, e isto apenas.
Que grandeza... a evasão total do pejo

Que nasce das imperfeições.
O encanto
Que nasce das adorações serenas". ***

Fror - Parece tão inteligente de longe não é? Da próxima vez compro-lhe uma bicicleta!

* Música "Não amo niguém" composta por Cazuza, Roberto Frejat e Ezequiel Neves
** Personagem principal do romance "A hora da estrela" de Clarice Lispector
*** "Aceitarás o amor como eu o encaro ?" poesia de Mário de Andrade

4 comentários:

vanvan disse...

ai...

Você e seu escrivinhar que me coloca uma ruga na testa e tira meus calcanhares do chão.

a beleza, eu tb gosto quando ela canta :)

e licença que eu vou ainda reler algumas vezes, fror.

Beijas.

Sr. Borboleta disse...

ui...

ego, super ego, cabeça e coração, fror, neguinho, pé e mão... ele dança. Ele com (a), esquerda do cérebro direito, do "nosso" jeito, do "nosso" sem-jeito. Azul "e" vermelho, estático não... "Preste atenção nos pés dele neguinho" é canção...

Johnny Kagyn disse...

RESPOSTA AO COMENTÁRIO DEIXADO EM MEU BLOG:

Seja bem-vindo! E use á vontade a descrição, afinal, a poesia é de quem a sente e não de quem a escreve. A poesia é de quem precisa!

E vejo que temos aqui no seu blog uma mente fervilhando de idéias, parabéns! Já virei freguês.

Anônimo disse...

intiresno muito, obrigado