6 de abril de 2006

As mulheres em um fabuloso destino


Em coro são uníssonas. A mais sensata das flores é sem dúvida clarevidente, intacta e delicada. A fragilidade é comum, por isso é muito interessante enxergá-las com os olhos calejados de abstrações. Quando passam, pressionam contra o chão flores coloridas, as mesmas que derramam constante de seus corpos. De idéias porosas à realizações de desejos embrionários, elas são ideológicas desde o ventre. Tedem a inteligências prematuras, mas é um "adultismo" imperfeito, pois são tão meninas as mulheres do fabuloso destino.


"Olha as minhas meninas
As minhas meninas
Pra onde é que elas vão
Se já saem sozinhas
As notas da minha canção (...)"*


  • Frô é passarinho. É minha musa de beleza sensata. É verde. Simplesmente doce e aparentemente saudável. Frô segura a rosa que enfeita seu cabelo vermelho desfarçado de azul. Quando é confusão não deixa de ser beleza. A sensibilidade ela conquista no ar. Ela é passarinho, vôa.

  • Certamente ela se diferencia por ser leve. A maestria do seu movimento organiza determinados sentidos e tem, quase sempre, como consequência o sorriso. Ela é sensibilidade e ativismo. Pintura em movimento, fotografia em mobilidade. Ela é laranja e, sempre energia, não se esquece de correr em mim.

  • Ao canalizar a sensibilidade para um bom gosto, descobre que não é solidão em si. São ambiguidades. As cores do sapato de chita, o carinho espontâneo e a coleção de sorrisos compões seu universo de beleza, de franqueza e de dúvida. Realiza os mais profundos desejos a partir da compreensão dessa dúvida e da atenção pelos homens e pelas mulheres. Se desgruda de sua pele com intensidade e inteligência. Nessa hora ela é azul, mas foi ela quem me pintou colorido.

"(...) Vão as minhas meninas
Levando destinos
Tão iluminados de sim
Passam por mim
E embaraçam as linhas
Da minha mão (...)"*

  • Ela é vermelha por que é Iansã. Por que ela é só sensibilidade. Por que ela é só encontro, só desejo. ela em si é uma ciranda. Quando roda ela é criatividade sempre inteira. Ela é exata. Ela é uma canção. Na verdade é uma dança, um gingado. Ela é olhar e detalhe. Ela que se vale e se completa no menino que fica na praia. Ela é de lá, do mar. Ela roda, ela faz girar. Ela é menina e romântica, ela é vermelha.

  • Quando apareceu foi sorriso espontâneo. Foi uma voz doce, é uma voz doce, é um ser doce. Quando está aqui é um carrossel de brinquedo em movimento. É a todo momento, é um sentimento, é dona do vento. Quando não está em matéria, emociona de lembrança. É sempre bonança, é um mar de infância, é a semelhança. É amarela clara de verdade e discordância. É uma linda dança, olhar e esperança, é coração e lança, saudade de criança.

  • A parte mais interessante do amor é saber que ele é intenso. Ela é intensa. Ela é amor puro. Interessante é perceber que , de suas asas de fada, urgem interessantes vôos coletivos. Por enquanto ela é arte e, como se não bastasse, provoca sentimentos profundos de movimento. Ela é marrom - cor de barro molhado de chuva. Ela é beleza pura. Uma mistura singular de concretude e abstração. ele me diz que ela é fogo de artifício. E é só beleza quando ela explode em mim.

"(...) As meninas são minhas
Só minhas na minha ilusão
Na canção cristalina
Da mina da imaginação
Pode o tempo
Marcar seus caminhos
Nas faces
Com as linhas
Das noites de não
E a solidão
Maltratar as meninas
As minhas não (...)"*

  • Transversal, magistral, flor, suor, poesia, complexidade, música, água, paradeiro, singeleza, sorriso, compreensão, emoção, altitude, romance, nuance, transdisciplinaridade, mato, fortaleza, lealdade, verdade. Ela é violeta. Reciclagem, imagem, ótica, alteridade, fantasia, limite, pós-modernidade, cachinho, óculos, fotografia, luz, ilusão, sim, interpretação, equilíbrio, adição, maquiagem, cinema, paciência, liberdade e paixão. Ela é palavra?

  • Parafraseando Marisa (Monte) ela me deixou satisfeito. Ela me faz feliz. Isso se deve a sua inconfundível tranquilidade, sua absurda morosidade, sua simplicidade complexa. A sua roupa é uma composição mítica, revela tamanha delicadeza. De repente, surpresa: Ela não é mais a mesma. Sinto é pelo encantamento instantâneo. Sua paz em fúria revela um tom de branco. ela é boneca, quicá incompleta. Ela é linda.

  • De certo, tudo começa pela raiz. Pés plantados no chão, barro, memória. Quando se ergue é caule. A espinha ereta não está presa, basta ver sua dança, folhas vistosas bailado ao gosto do vento. Ela é cor de mel. Sim, ela é pura seiva, é samba de Noel, é amor de Chico. De repente uma luz brilahnte no céu. A grande flor desabrocha, tudo é muita energia nesse instante. É seu sorriso, é girassol.

"(...) As meninas são minhas
Só minhas
As minhas meninas
Do meu coração"*

(texto em homenagem a algumas das mulheres do fabuloso destino. Há outras...)

* Música As Minhas Meninas de Chico Buarque

3 comentários:

kerol disse...

Niltinho...eu quis repetir aqui minha "resposta" de gratidão, de surpresa, admiração, abobalhamento e felicidade, ao ler seu texto, ao ver as "suas meninas". Te amo, sei que todas elas também!! Meu passarinho!!

Aaaaaaaaaaaaaaaaaah Niltinho!!!
arrepio, arrepio, mais arrepio daqueles que parecem que a gente vai levantar do chão, aquele frio na barriga, sabe?? Poooooooooooooo Niltito...que coisa mais linda! Fiquei muito feliz de me ver em palavras suas, tão fantasticamente 'desenhada', e as meninas também...transfiguradas pelo prisma dos seus olhos, pela lente do seu doce coração de príncipe, de anjo, de mágico e poeta, nos tornamos cores, vibrações, ondas de energia! Você é, luz, Niltinho! E o que eu sempre peço pros santos-deuses-orixás-forças é que te ajudem a perceber, sempre com mais clareza, a coisa bela e colorida e grandemente transformadora de um mundo inteiro que é o seu fabuloso destino. Eu te amo, meu amigo! Te amo porque és meu passarinho. Te amo porque voas comigo. Te amo porque no encontro contigo, viro 'frô', viro passarinho. Você me dá asas! Te amo de novo e sempre!!!

Senhor Borboleta disse...

olhar de tesoura, cirugião da palavra. O recorte é exato. Nem mais nem menos. Muito mais pelo ponto de vista da imagem do que do óbvio vc pontua com arremate o tecido delas... parecem todas uma só, como se todas as cores fossem iguais por refletirem a mesma luz. De fato são todas lindas, mas no texto isso não parece o bastante. Cada uma tem um ar, um tempo, uma canção. beijos na sau imaginação tão concreta.

Liu Lisboa disse...

ô nêgo...já disse o quanto amei, né? ficou tudo tão lindo...que palavras fantásticas - fabulosamente fantásticas! você é lindo, homem! e tuas palavras andam criando formas cada vez mais belas...

um "muito obrigada" vermelho de paixão e de timidez que enrubesce a face